Jornal Agora | Como cuidar do meio ambiente?
 
fechar
fechar

Seu voto foi registrado. Agradecemos sua participação.

Seu voto já foi computado nas últimas 24 horas.

Resultado parcial

Atenção: o resultado desta enquete não tem valor de amostragem científica e se refere apenas a um grupo de
                 leitores do Agora Online.
Redes sociais
voltar

Artigo

- 23-02-2016 - 20h40min
fechar
enviar Máximo 500 caracteres
* Ao enviar qualquer comentário, o usuário declara-se ciente e aceita integralmente o termo de uso
fechar

Comunicar erro

Se você encontrou alguma informação que esteja errada, utilize este espaço para reportar erros.

enviar Máximo 500 caracteres
fechar

Envie esta notícia para um amigo

» Adicionar mais um destinatário

enviar Máximo 500 caracteres

Como cuidar do meio ambiente?

fechar

Galeria de vídeo

fechar

Galeria de áudios

fechar
Foto: Regys Macêdo

Fares Nader Fares*

 

Quando pensamos em “meio ambiente”, corremos o risco de identificar uma série de coisas, que deveríamos fazer e não fazemos, preocupações que deveríamos ter, assim como; hábitos que deveriam fazer parte de nossas vidas e outro tanto de hábitos que precisariam ser modificados e que devo enunciá-los: economizar água e energia elétrica, usar alimentos livres de agrotóxicos e cultivados organicamente, reduzir o número de eletrodomésticos, as horas de uso dos chuveiros e micro-ondas, sendo apenas o início de uma lista interminável de cobranças que precisaríamos fazer diante da tarefa gigantesca de salvaguardarmos nosso planeta de um desequilíbrio irremediável. Pequenos gestos seriam, talvez, a forma de encontrarmos um caminho muito mais natural e mais simples de darmos nossa contribuição a questões ecológicas e à própria saúde do planeta.

Esse caminho é o do amor e do respeito com aqueles que viveram e vivem muito próximo à natureza. Faço-lhes a pergunta: Que tal uma reflexão sobre isto que entendemos mas, muitas vezes, não aplicamos. Discorrendo sabre “poluição da atmosfera” o que de melhor podemos fazer pelo ar que respiramos? Sentir seu cheiro e torná-lo cada vez mais saudável. Saber que o próprio ar, que contaminamos, poluindo, é o mesmo que inspiramos, então, o uso do carro em pequenas distâncias torna-se inviável, ocasião em que somos mais um agente poluidor.

A relação com animais, por exemplo, com tratamento justo e equilibrado. Já do tempo de nossos ancestrais, que deixavam as cabras em locais onde tinha água e pasto, em troca elas nos davam o leite e a carne. Sendo um exemplo de tratamento equilibrado. A terra, por exemplo, não tem limites, é aberta, se olharmos para ela com reverência e amor, e ensinarmos nossos filhos a respeitar aquilo que nos alimenta, que nos sustenta, nos dando garantia de viver, estaríamos garantindo o equilíbrio natural do meio ambiente, e não o sentido de supremacia da espécie humana.

Vejam, por exemplo a “simplicidade”. Quantas exigências colocamos sobre nós diariamente, quando a felicidade, que tanto buscamos, está nas coisas mais simples da vida. Ali, tudo é simples e profundo, são poucas coisas, mas cada uma tem um enorme valor e nos proporciona felicidades. Cada toque é valorizado, proporcionando enormes alegrias, pelo simples fato de estarmos juntos. Neste mundo pelo qual me refiro, ninguém sonha como chegar a ser, porque simplesmente já o é.

Então, dá para ler estas pequenas reflexões, sem podermos avaliar o que elas emanam? Neste caso, deixo um convite a todos que conseguiram assimilar estas condutas que tenham em mente as imagens destes gestos simples e salutares. Através disto, encontre seu caminho de transformação do seu meio e do seu ambiente, faça a sua parte através do amor, do respeito e da beleza, deixando de lado a cobrança, o medo e a culpa. Então, não seria este um caminho mais viável para um mundo melhor dentro de um ambiente salutar?

 

 

*Oceanólogo, analista ambiental


comente Comentários(0)

Participe


Sua opinião Agora

Você acha que os mandatos dos vereadores Batatinha e João da Barra devem ser cassados?

resultado votar
Veja mais

Plantão



Comparte Jornal Agora - Todos os direitos reservados