Jornal Agora | No passado, o giz ditava regras, mas atualmente é ...
 
fechar
fechar

Seu voto foi registrado. Agradecemos sua participação.

Seu voto já foi computado nas últimas 24 horas.

Resultado parcial

Atenção: o resultado desta enquete não tem valor de amostragem científica e se refere apenas a um grupo de
                 leitores do Agora Online.
Redes sociais
voltar

Artigo

- 03-06-2015 - 19h29min
fechar
enviar Máximo 500 caracteres
* Ao enviar qualquer comentário, o usuário declara-se ciente e aceita integralmente o termo de uso
fechar

Comunicar erro

Se você encontrou alguma informação que esteja errada, utilize este espaço para reportar erros.

enviar Máximo 500 caracteres
fechar

Envie esta notícia para um amigo

» Adicionar mais um destinatário

enviar Máximo 500 caracteres

No passado, o giz ditava regras, mas atualmente é a política e seus interesses

fechar

Galeria de vídeo

fechar

Galeria de áudios

fechar
Foto: Divulgação

Nery Porto Fabres*

 

Os grandes homens que empunhavam o giz perderam suas funções para o tempo, hoje seus corpos cansados lutam por respeito na organização social, Mas, por ironia, as grandes oportunidades estão com um grande número de cidadãos que se envolveram em uma aliança política, e assim caminha a humanidade.

Seja por força da necessidade de sobrevivência, seja pela facilidade de trilhar o caminho do sucesso pessoal ou simplesmente por idolatrar alguma autoridade política, os homens, pouco a pouco, lotam os diretórios dos partidos políticos para pertencerem à nova e garantida forma de conquistar um lugar ao sol.

Os seres humanos estão menos homens e mais máquinas do que em toda a história da humanidade. O interesse ultrapassa qualquer projeto de vida, os jovens deixaram de sonhar e se rendem ao "facilismo" social. Esses querem a mordomia sem fazer esforços.

O País, logo, logo entregará o comando para essa geração de pequenos operadores das falácias, das artimanhas, dos exageros, das malandragens e do desconhecimento do ofício. Os novos homenzinhos, que jogam games, usam redes sociais, bebem além da conta e ignoram o mundo real, viverão sem alimentos, sem água e sem energia.

Como será o amanhã? Difícil imaginar! Os novos aprendizes não sabem ler um texto, não sabem fazer amigos, não entendem da língua portuguesa, de matemática, física, química, geografia, biologia, sociologia, psicologia, filosofia, literatura. Mas irão formar-se em Direito, Medicina, Engenharia e, se não conseguirem vagas nesses cursos, serão professores. Afinal, as universidades precisam lucrar.

É isso aí! Os discípulos, quando não conseguem notas no ENEM para os cursos mais concorridos, migram para as licenciaturas. Esses aprendizes de notas baixas, que não são aceitos em quase nenhuma academia, serão os professores dos nossos filhos, netos e bisnetos.

A educação e a política despencaram para o mais baixo degrau da ordem social. Hoje, os professores têm ódio dos estudantes. Esses últimos são discriminados por não entenderem nada do que é abordado e, tampouco, identificarem-se com o ambiente escolar, enquanto os primeiros são educadores sem competência para ocuparem as salas de aula. Não por suas culpas, porém, pelo sistema.

A política e a educação vivem em compasso de cortejo. A primeira quer quaisquer nomes para trabalhar a serviço do corporativismo, a segunda quer quaisquer cidadãos com diploma para assumir o fracasso da vida humana.

 

*Professor e corretor de imóveis


comente Comentários(8)

Participe


Sua opinião Agora

Você acha que os mandatos dos vereadores Batatinha e João da Barra devem ser cassados?

resultado votar
Veja mais

Plantão



Comparte Jornal Agora - Todos os direitos reservados