Jornal Agora | Reescrita: identificação e satisfação
 
fechar
fechar

Seu voto foi registrado. Agradecemos sua participação.

Seu voto já foi computado nas últimas 24 horas.

Resultado parcial

Atenção: o resultado desta enquete não tem valor de amostragem científica e se refere apenas a um grupo de
                 leitores do Agora Online.
Redes sociais
voltar

Artigo

- 14-05-2015 - 19h31min
fechar
enviar Máximo 500 caracteres
* Ao enviar qualquer comentário, o usuário declara-se ciente e aceita integralmente o termo de uso
fechar

Comunicar erro

Se você encontrou alguma informação que esteja errada, utilize este espaço para reportar erros.

enviar Máximo 500 caracteres
fechar

Envie esta notícia para um amigo

» Adicionar mais um destinatário

enviar Máximo 500 caracteres

Reescrita: identificação e satisfação

fechar

Galeria de vídeo

fechar

Galeria de áudios

Nicole Telmo Jodar*
 

Pensar que os alunos irão se interessar por todos os gêneros textuais e obras literárias que o professor tentar inserir na sala de aula é uma doce ilusão, pois sabe-se que cada dia mais os alunos mostram-se opinativos e participativos em ralação à leituras e atividades de aula.

A iniciativa de Jandira Stand, professora da EMEF Humberto de Campos, em São Paulo, foi aceita de forma surpreendente, exatamente pela maneira como ela resolveu trabalhar com seus alunos o gênero textual fábula. O trabalho da professora Jandira consiste em fazer com que o aluno reescreva uma fábula, com a intenção de que o mesmo entenda melhor o desenrolar da história e o gênero textual com que estão trabalhando.

O método da reescrita utilizado pela professora é o que falta em grande parte dos docentes que tenta trabalhar com obras clássicas no Ensino Médio, pois ainda hoje alguns deles pensam que trabalhar com o cânone é exigir dos alunos análises críticas dessas obras. Os alunos de Ensino Médio que, na maioria das vezes, não estão prontos para isso, todavia submetem-se a fazer a árdua tarefa de analisar a obra exigida porque “necessitam” passar de ano.

Sendo assim, tem-se uma ideia do por que os alunos acabam rejeitando os clássicos e, muitas vezes, qualquer outra obra. Segundo Furtado, “etapas devem ser seguidas para a aproximação de uma obra clássica o aluno, e que qualquer salto dessa aproximação gradual à leitura dos clássicos pode deixar como sequela uma rejeição prévia a toda sugestão de leitura de textos literários não contemporâneos”.

Pensando assim, trabalhar com a reescrita é dar a oportunidade do aluno ler um texto clássico ao seu tempo, fazer suas diversas leituras e interpretações e, assim, expressá-las, relacionado com a sua realidade, seu ponto de vista e os aspectos que lhe parecem importantes; isso faz com que o aluno absorva, sinta o clássico, pois deste modo possuirá tempo para pensar sobre o que foi lido, e reconhecer-se – identificar-se na obra, e será esse tempo de reescrita e reflexão que poderá fazer com que o aluno sinta satisfação de reescrever algo tão importante para literatura.


 

 

*Graduanda de Letras Português/ Espanhol da Universidade Federal do Rio Grande (Furg).


comente Comentários(1)

Participe


Sua opinião Agora

Você acha que os mandatos dos vereadores Batatinha e João da Barra devem ser cassados?

resultado votar
Veja mais

Plantão



Comparte Jornal Agora - Todos os direitos reservados