Jornal Agora | Votação do Plano Municipal de Educação é adiada pa ...
 
fechar
fechar

Seu voto foi registrado. Agradecemos sua participação.

Seu voto já foi computado nas últimas 24 horas.

Resultado parcial

Atenção: o resultado desta enquete não tem valor de amostragem científica e se refere apenas a um grupo de
                 leitores do Agora Online.
Redes sociais
voltar

Câmara Municipal

- 22-06-2015 - 20h46min
fechar
enviar Máximo 500 caracteres
* Ao enviar qualquer comentário, o usuário declara-se ciente e aceita integralmente o termo de uso
fechar

Comunicar erro

Se você encontrou alguma informação que esteja errada, utilize este espaço para reportar erros.

enviar Máximo 500 caracteres
fechar

Envie esta notícia para um amigo

» Adicionar mais um destinatário

enviar Máximo 500 caracteres

Votação do Plano Municipal de Educação é adiada para terça

fechar

Galeria de vídeo

fechar

Galeria de áudios

fechar

Galeria de fotos

Foto: Fabio Dutra

Projeto polêmico gerou confusão na Câmara

  • Projeto polêmico gerou confusão na Câmara Tumulto foi tanto que a sessão foi encerrada

Foto: Fabio Dutra

Votação do Plano Municipal de Educação é adiada para terça

Projeto polêmico gerou confusão na Câmara

Entrou em apreciação, na tarde desta segunda-feira (22), na Câmara Municipal, o Projeto de Lei do Executivo (PLE) que cria o Plano Municipal de Educação 2015-2025. O debate levou centenas de manifestantes ao local, uns pela aprovação do PLE, outros contrários. O principal motivo da polêmica foi o item 7.35 do Plano, que discorre sobre ideologia de gênero. O tumulto foi tanto que o presidente do Legislativo, vereador Thiago Pires Gonçalves - Thiaguinho (PMDB), decidiu encerrar a sessão, por volta das 15h30min. Dessa forma, a votação será a primeira pauta da sessão ordinária de terça-feira (23) e deverá entrar em apreciação às 15h, mas com portas fechadas.

O polêmico item 7.35 do Plano Municipal de Educação insere, como meta de qualidade de educação, exatamente o seguinte: “garantir, nos currículos das escolas de Educação Básica, conteúdos sobre as questões de gênero e orientação sexual, por meio de ações colaborativas, buscando combater todas as formas de preconceito, promovendo programas que valorizem a diversidade e enfrentem o sexismo, racismo, xenofobia, homofobia, lesbofobia, a transfobia e demais discriminações no ambiente escolar, no currículo e nas práticas pedagógicas”. Interessados, podem acessar o plano, na íntegra, na página da Smed.

 

Votação terá portas fechadas 

A polêmica foi tanta que, de acordo com o presidente da Casa, não foi possível manter o mínimo de ordem para apreciação do projeto. Ele contou que, para que o fato não se repita e atendendo a uma solicitação da Brigada Militar, a Câmara Municipal funcionará, nesta terça, com expediente interno, das 8h às 19h. Entretanto, disse que cada vereador receberá seis senhas para distribuir entre pessoas da comunidade, interessadas em acompanhar o debate no local. A pedido da BM, segundo Thiaguinho, apenas 126 pessoas poderão acompanhar a votação no local. O número é prorcional ao número de assentos para populares na Casa. O acesso, para as pessoas com senha, será a partir do meio-dia.

Thiaguinho informou que o regimento interno da Câmara prevê que a votação seja feita sem público quando há impedimento por falta de ordem, no entanto, explicou que defende a democracia e acrescentou que a opção pela distribuição das senhas pelos vereadores foi a forma mais justa e igualitária que ele encontrou para viabilizar a votação do projeto, cuja apreciação foi solicitada em caráter de urgência pelo Executivo. Vale lembrar que a sessão ordinária, como de costume, será transmitida ao vivo pela TV Câmara.

Por Tatiane Fernandes
tati@jornalagora.com.br


comente Comentários(6)

Participe


Sua opinião Agora

Você acha que os mandatos dos vereadores Batatinha e João da Barra devem ser cassados?

resultado votar
Veja mais

Plantão



Comparte Jornal Agora - Todos os direitos reservados