fechar
fechar

Seu voto foi registrado. Agradecemos sua participação.

Seu voto já foi computado nas últimas 24 horas.

Resultado parcial

Atenção: o resultado desta enquete não tem valor de amostragem científica e se refere apenas a um grupo de
                 leitores do Agora Online.
Redes sociais
voltar

Infraestrutura-COPA

- 19-03-2014 - 19h39min
fechar
enviar Máximo 500 caracteres
* Ao enviar qualquer comentário, o usuário declara-se ciente e aceita integralmente o termo de uso
fechar

Comunicar erro

Se você encontrou alguma informação que esteja errada, utilize este espaço para reportar erros.

enviar Máximo 500 caracteres
fechar

Envie esta notícia para um amigo

» Adicionar mais um destinatário

enviar Máximo 500 caracteres

Especialista alerta "vai faltar água em São Paulo durante a Copa 2014"

fechar

Galeria de vídeo

fechar

Galeria de áudios

Embora o Brasil seja o primeiro País em disponibilidade de água doce do mundo, a poluição e o uso inadequado comprometem o recurso em várias regiões do País. Com a proximidade do Dia Internacional da Água (22 de março), o cenário não poderia ser pior.

“São Paulo enfrentará racionamento de água durante a Copa do Mundo”, afirma Paulo Costa, diretor da H2C e especialista em Uso Racional da Água. E os problemas de falta de água não são apenas por conta da falta de chuvas e sim de investimentos. Paulo Costa já alertava o fato desde 2007, quando o Brasil foi escolhido como sede do mundial de futebol. “Como justificar que o País que detém 13% da água doce do mundo não possui políticas ambientais consistentes para o tema e pode vivenciar racionamento de água durante os maiores eventos esportivos do planeta?”, dizia à época Paulo. “Devemos lembrar que a Copa e a Olimpíada ocorrem em meses de estiagem (junho e julho), o que gera preocupação a mais sobre possíveis problemas de abastecimento nos períodos dos eventos”. 

Para piorar as perspectivas, ficaram mais pessimistas porque a seca atual do Cantareira é mais crítica que a de 1953, até então a pior da história e que servia de parâmetro para os técnicos dos governos estadual e federal. Desde janeiro deste ano, a quantidade de água que entrou nos reservatórios do Sistema Cantareira corresponde a 15% da média histórica, mesmo com a volta das chuvas neste mês. Em 1953, o pior índice foi o de janeiro: 39%. “Diante destes índices devemos iniciar o racionamento de água imediatamente, ou poderemos colocar em risco o abastecimento de água da Região Metropolitana de São Paulo”, afirma Paulo Costa.


comente Comentários(0)

Participe


Sua opinião Agora

Sobre o resultado da eleição para Governo do estado do RS, como você se descreve:

resultado votar
Veja mais

Plantão



Comparte Jornal Agora - Todos os direitos reservados