Jornal Agora | Elis Regina: 30 anos de saudades
 
fechar
fechar

Seu voto foi registrado. Agradecemos sua participação.

Seu voto já foi computado nas últimas 24 horas.

Resultado parcial

Atenção: o resultado desta enquete não tem valor de amostragem científica e se refere apenas a um grupo de
                 leitores do Agora Online.
Redes sociais
voltar

homenagem

- 19-01-2012 - 20h50min
fechar
enviar Máximo 500 caracteres
* Ao enviar qualquer comentário, o usuário declara-se ciente e aceita integralmente o termo de uso
fechar

Comunicar erro

Se você encontrou alguma informação que esteja errada, utilize este espaço para reportar erros.

enviar Máximo 500 caracteres
fechar

Envie esta notícia para um amigo

» Adicionar mais um destinatário

enviar Máximo 500 caracteres

Elis Regina: 30 anos de saudades

fechar

Galeria de vídeo

fechar

Galeria de áudios

fechar

Galeria de fotos

Foto: Divulgação

Até hoje, 30 anos depois de sua morte, o fenômeno Elis Regina continua incomparável

  • Até hoje, 30 anos depois de sua morte, o fenômeno Elis Regina continua incomparável

Foto: Divulgação

Elis Regina: 30 anos de saudades

Até hoje, 30 anos depois de sua morte, o fenômeno Elis Regina continua incomparável

Considerada uma das melhores cantoras de todos os tempos, Elis Regina vendeu mais de 4 milhões de discos em seus 18 anos de carreira. Em 19 de janeiro de 1982, sua morte  chocou o país: Elis foi encontrada, no quarto de seu apartamento, vítima de uma overdose de álcool e cocaína

Nesta quinta-feira a morte de Elis Regina completa 30 anos. E, como não poderia deixar de ser, a data é marcada por uma série de homenagens, que inclui relançamento de CDs, a reedição de uma biografia clássica e show-tributo de sua filha Maria Rita, com produção de João Marcelo Bôscoli, seu outro filho.

 



Homenagens e mais homenagens

Em função da data, homenagens à cantora começam a pipocar também na web e na TV. Entre elas está o "Som Brasil - Tributo a Elis Regina", que será exibido neste sábado, às 23h, e domingo, às 18h, pelo Canal Viva. Trata-se da reprise de um espetáculo que reuniu estrelas da MPB, em 1997, na casa de shows Metropolitan, no Rio, para relembrar músicas imortalizadas na voz da diva. Merecem destaque as participações de Ângela Maria, Nana Caymmi e Milton Nascimento - que divide o palco com os filhos de Elis, Pedro Mariano e João Marcelo Bôscoli, antes de Maria Rita assumir a carreira artística.
 


Elis, a Pimentinha

Nascida em Porto Alegre, Elis Regina começou sua carreira aos 11 anos, em um programa de rádio para as crianças. Aos 16 lançou seu primeiro disco, mas foi na década de 60 que a cantora, de 1m53cm de altura, tornou-se a grande estrela como até hoje é lembrada, com uma presença de palco inconfundível: graças ao costume de mexer os braços e a emoção com que cantava, recebeu o apelido de Pimentinha.

Em 1965, foi a grande revelação do festival da TV Excelsior em São Paulo, quando cantou "Arrastão", música com a qual conquistou o Brasil e, no final da década, se lançou no exterior, conquistando o público europeu e tornando-se a primeira artista a se apresentar duas vezes no mesmo ano no Olympia, a mais antiga e famosa casa de espetáculos de Paris. 

Politicamente engajada, participou ativamente de movimentos contra à ditadura brasileira. Sua interpretação transformou a canção "O Bêbado e a Equilibrista", de João Bosco e Aldir Blanc, em hino da volta do exílio.

Com seu sucesso, Elis impulsionou a carreira de iniciantes como Fagner, Ivan Lins, Milton Nascimento e João Bosco. Na década de 70 e início de 80 se consolidou-se como a maior cantora do Brasil e causou polêmica - foi nessa época que ela disse a famosa frase "Neste País só duas cantam, a Gal (Costa) e eu".


comente Comentários(10)

Participe


Sua opinião Agora

Você acha que os mandatos dos vereadores Batatinha e João da Barra devem ser cassados?

resultado votar
Veja mais

Plantão



Comparte Jornal Agora - Todos os direitos reservados